Atendemos todo o Brasil -
011 3101-2261

M.E.B. Advocacia

Publicações

TST mantém demissão de trabalhador que só retornou ao emprego um ano após fim da aposentadoria por invalidez

Um industriário que trabalhava numa companhia de saneamento de Minas Gerais teve a demissão por justa causa confirmada pela Justiça. O motivo? Ele só retornou ao trabalho mais de um ano após o cancelamento de sua aposentadoria por invalidez. O mais curioso é que, neste período, ele sequer justificou a ausência.

 

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) manteve a sentença que validou a demissão por abandono de emprego.

Entenda

 

Contratado nos anos 1990, o trabalhador foi aposentado por invalidez em razão de surto psicótico com características esquizofrênicas. O benefício por incapacidade foi concedido pela Previdência Social em 2001.

A aposentadoria por incapacidade permanente (antiga aposentadoria por invalidez) é concedida quando o trabalhador da iniciativa privada se encontra incapaz de exercer sua atividade laborativa e não pode ser reabilitado em outra área profissional. Neste caso, a concessão depende de um parecer da perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

 

A questão é que o benefício não é vitalício. É pago enquanto persistir a incapacidade. E o segurado pode ser reavaliado a cada dois anos. Foi o que ocorreu no caso de trabalhador.

Em 2018, ao ser submetido a uma perícia médica revisional do INSS, ele teve a aposentadoria encerrada. O médico perito do instituto entendeu que não havia mais a invalidez e que ele poderia retornar ao trabalho. O funcionário, porém, só se apresentou à empresa em junho de 2019. Na ocasião, foi dispensado por abandono de emprego.

Ele, então, ajuizou uma ação trabalhista pedindo reintegração, alegando que não fora convocado pela empresa a retornar ao seu antigo posto, após a cessação da aposentadoria.

A 32ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte (MG) — primeira instância — negou o pedido do trabalhador, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3) reformou a decisão, determinando que ele fosse reintegrado. Neste caso, o entendimento foi o de que a empresa não cumpriu a formalidade de convocar o empregado para retorno ao serviço. Isso, no entender, do TRT-3 seria necessário para comprovar a intenção de abandonar o emprego.

Empresa recorreu

 

Foi a vez, então, de a companhia recorrer. O ministro relator do caso no TST, Alexandre Ramos, destacou que não há determinação legal para que a empresa convoque o profissional ao trabalho após o fim da aposentadoria por invalidez.

 

“Ele tinha consciência de que o benefício tinha se encerrado há mais de um ano, mas não tomou nenhuma providência para retornar ao serviço”, justificou o magistrado.

Ainda segundo o ministro, pela jurisprudência do TST, o abandono de emprego é presumido se o trabalhador não retornar ao serviço em até 30 dias após o fim do benefício previdenciário nem justificar a ausência (Súmula 32 do TST).

Fonte: Extra

__________________________________________________________________________________

MEB Advocacia Especializada em Concursos Públicos



Você está procurando uma advocacia especializada em concursos públicos?

Fale Conosco Agora
Como funciona a desistência de nomeado e nomeação do próximo ao cargo?

A jornada de um concurso público não termina com a aprovação; ela segue um caminho que inclui a



ADVOCACIA ESPECIALIZADA EM CONCURSO PÚBLICO

Chamar no Whatsapp