Atendemos todo o Brasil -
011 3101-2261

M.E.B. Advocacia

Publicações

Concurso Nacional Unificado: edital em janeiro de 2024; 6,6 mil vagas

Governo federal divulgou novo cronograma do Concurso Nacional Unificado. Edital está previsto para janeiro de 2024. Além disso, mais cidades receberão a prova.

O Ministério de Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI), criador do Concurso Nacional Unificado (CNU), divulgou as datas previstas para realização das inscrições. A solicitação para participar da seleção deverá acontecer entre os meses de janeiro e fevereiro, com início poucos dias após o lançamento do edital.

A novidade veio quase um mês depois da escolha de banca organizadora nesta sexta-feira. A empresa que cuidará dos oito editais do Enem dos Empregos será a Fundação Cesgranrio. Ao todo, serão contempladas 6.640 vagas imediatas para níveis médio e superior em 21 órgãos do Poder Executivo.“O Governo Federal tem a experiência do Enem, mas é a primeira vez que estamos fazendo uma prova de concurso público desse vulto, envolvendo 21 órgãos. Por isso, buscamos o apoio dos órgãos de controle desde o princípio, para que todas as etapas do concurso estejam em conformidade com as melhores práticas de gestão, transparência, legalidade e impessoalidade”, pontuou Maria Aparecida Chagas Pereira, diretora de Provimento e Movimentação de Pessoal do MGI.

 

Além do novo cronograma do Concurso Nacional Unificado, o governo federal também informou que aumentou o número de cidades que receberão a prova única. De acordo com nota do MGI, 217 municípios brasileiros contarão com a aplicação das etapas para que, dentro das regiões metropolitanas, mais de uma cidade receba os candidatos.

 

Concurso Nacional Unificado: situação atual

 

O MGI atualizou o cronograma do CNU nesta quinta-feira (14/12), com uma nova data para o lançamento do edital e prazo de inscrições. A expectativa é de que o documento seja liberado no dia 10 de janeiro de 2024, com as candidaturas iniciando no dia 19 do mesmo mês.

 

Já as provas, que estavam previstas para meados de março, devem acontecer na primeira semana de maio. A mudança nas datas do Concurso Nacional Unificado foi feita após discussões entre o Ministério de Gestão e Inovação e a banca organizadora, Fundação Cesgranrio, contratada no dia 24 de novembro de 2023.

 

O objetivo da alteração é “garantir tempo suficiente para elaboração das provas”, informou o MGI em nota. Além disso, vai aumentar o período que os candidatos terão para se preparar. “Recebemos muitas solicitações pelas redes sociais de que as pessoas tivessem mais tempo para estudar”, pontuou Esther Dweck, ministra do MGI.

 

A Fundação Cesgranrio já deve estar trabalhando na produção dos oito editais conforme os blocos temáticos do Concurso Nacional Unificado. Os documentos conterão requisitos, vagas, salários, conteúdo programático, formas de inscrição, critérios de seleção, data e local das provas.

 

Enem dos Empregos: por que um concurso unificado?

 

A ideia da realização desse novo modelo surgiu após o governo autorizar a abertura de mais de 8 mil vagas em diversos órgãos do Poder Executivo. De acordo com o MGI, a inspiração para o Concurso Nacional Unificado veio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

A prova para os vestibulandos é aplicada de forma igual em todo o território brasileiro, permitindo que todos os estudantes de ensino médio tenham acesso às vagas em Universidades Públicas. A partir disso, o governo federal entendeu a necessidade de descentralizar as provas de concurso.

 

O CNU terá sua aplicação em 180 municípios espalhados por todo o país e vai levar a avaliação para localidades que, no formato tradicional, não participariam da seleção. Desse modo, mais pessoas poderão ter acesso às vagas do serviço público federal. Por isso, o certame acabou sendo apelidado de Enem dos Empregos.

 

Do total, 21 entidades decidiram pela adesão ao Concurso Nacional Unificado, somando 6.640 vagas imediatas para cargos de níveis superior e médio. Até o dia 29 de setembro de 2023, prazo dado pelo MGI para solicitação de participação, 20 órgãos tinham dado resposta positiva.

 

Depois disso, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que já havia negado a adesão, voltou atrás. A confirmação de inclusão do Inep no CNU foi anunciada no dia 18 de outubro de 2023. Essas entidades terão suas vagas agrupadas em blocos temáticos para que os candidatos possam realizar uma única prova para cargos similares.

 

Concurso Nacional Unificado tem novo cronograma

 

A parte de organização do CNU foi concluída entre setembro e novembro de 2023. Dentro desse período, foram concluídas três etapas: formação do comitê organizadora, adesão dos órgãos do Poder Executivo e contratação da banca organizadora. Agora, os próximos passos para a realização do Concurso Nacional Unificado são:

 

  • Publicação do edital: 10 de janeiro de 2024;

  • Período de inscrição: de 19 de janeiro a 09 de fevereiro de 2024;

  • Homologação das inscrições: 29 de fevereiro de 2024;

  • Divulgação dos Cartões de Confirmação: 29 de abril de 2024;

  • Aplicação das Provas: 05 de maio de 2024;

  • Resultado preliminar das provas: 03 de junho de 2024;

  • Resultado final do CNU: 30 de julho de 2024;

  • Convocação dos aprovados: 05 de agosto de 2024.

Concurso Nacional Unificado: site oficial

 

O governo reuniu todas as informações do certame em site oficial. O portal foi lançado no dia 10 de novembro e conta com uma série de documentos que facilitam a compreensão sobre a nova versão de seleção pública.

 

Essa novidade “faz parte dos esforços do MGI em dar ampla transparência à população das fases do concurso, Além disso, a iniciativa tem por objetivo servir como fonte oficial de informação do Governo Federal para que a sociedade não caia em eventuais tentativas de golpes ou disseminem informações falsas sobre o Concurso Nacional. “, explica o Ministério de Gestão e Inovação.

 

Ainda de acordo com a pasta, atualizações também serão publicadas nas redes sociais oficiais do MGI, como Instagram, TikTok e X (antigo Twitter). O usuário é @gestaogovbr para quem quiser seguir. No site do Concurso Nacional Unificado, é possível encontrar:

 

  • Entrevistas da gestora do MGI Ester Dweck anunciando o CNU e explicando como ele vai funcionar;

  • Link com todas as dúvidas frequentes dos candidatos;

  • Guia para Concursos Públicos;

  • Apresentação, normas e cronograma do CNU.

Concurso Nacional Unificado: regulamentação

Pessoa escrevendo em caderno ao fundo, com destaque para texto

Veja as regras do Concurso Nacional Unificado divulgadas até agora. Foto: rattanakun via Canva / montagem Concursos no Brasil

A regulamentação do Concurso Nacinotaonal Unificado foi publicada em edição extra do DOU do dia 04 de outubro, o MGI publicou a Portaria nº 6.017 contendo todas as regras para a realização do CNU. O texto traz, logo de início, os objetivos do novo formato de seleção pública conjunta:

 

I – promover igualdade de oportunidades de acesso aos cargos públicos efetivos;
II – padronizar procedimentos na aplicação das provas;
III – aprimorar os métodos de seleção de servidores públicos, de modo a priorizar as qualificações necessárias para o desempenho das atividades inerentes ao setor público; e
IV – zelar pelo princípio da impessoalidade na seleção das pessoas candidatas em todas as fases e etapas do certame.

 

A portaria também define detalhes acerca da organização do Enem dos Empregos. Segundo o texto, ficarão responsáveis pela formatação do concurso a Comissão de Governança, que “poderá instituir grupos técnicos operacionais para assessorar e apoiar os trabalhos”, e o Comitê Consultivo e Deliberativo, que servirá de comissão organizadora.

 

No regulamento, ficam determinadas as seguintes regras do Concurso Nacional Unificado:

  • Pedido de participação deve ser formalizado por meio da assinatura do Termo de Adesão;

  • Custos de realização do CNU serão rateados entre os órgãos participantes;

  • As vagas disponibilizadas serão agrupadas em blocos temáticos conforme as áreas de atuação;

  • Os candidatos só poderão escolher um bloco temático no ato da inscrição;

  • O CNU terá duas etapas, sendo a primeira de prova escrita (objetiva ou objetiva e discursiva) e a segunda de prova de títulos;

  • A aplicação da avaliação deve acontecer em todos os estados brasileiros;

  • Os órgãos participantes que realizar Curso de Formação deverá arcar com a organização e custos deste;

  • Etapas que excedem às definidas na portaria serão de responsabilidade dos respectivos órgãos;

  • O Concurso Nacional Unificado irá aplicar cotas para pessoas com deficiência (PcD) e candidatos negros;

  • Os prazos e diretrizes da seleção serão estabelecidos em edital de acordo com os blocos temáticos.

É importante ressaltar que o texto é válido para essa e próximas edições do Enem dos Empregos.

 

Enem dos Empregos: órgãos participantes

 

O primeiro anúncio oficial do CNU, feito pelo MGI, aconteceu no início de setembro, informando sobre a criação desse novo formato. Ao longo do mês em questão, a pasta divulgou uma série de informações acerca do certame, inclusive as respostas para principais dúvidas dos candidatos.

 

As novidades foram sendo lançadas aos poucos, até o dia 29 de setembro, quando finalizou o prazo para os órgãos aderirem ao Concurso Nacional Unificado. Nessa data, o governo federal publicou decreto fazendo valer a seleção de prova única. No mesmo dia, o MGI realizou coletiva de imprensa divulgando 20 órgãos incluídos na primeira edição. São eles:

 

  1. Advocacia-Geral da União;

  2. Agência Nacional de Energia Elétrica;

  3. Agência Nacional de Saúde Suplementar;

  4. Agência Nacional de Transportes Aquaviários;

  5. Fundação Nacional dos Povos Indígenas;

  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística;

  7. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária;

  8. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

  9. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação;

  10. Ministério da Cultura;

  11. Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços;

  12. Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania;

  13. Ministério da Educação;

  14. Ministério da Gestão e Inovação;

  15. Ministério de Justiça e Segurança Pública;

  16. Ministério de Planejamento e Orçamento;

  17. Ministério dos Povos Indígenas;

  18. Ministério da Saúde;

  19. Ministério do Trabalho e Emprego;

  20. Superintendência Nacional de Previdência Complementar.

Logo após a coletiva, o MGI divulgou nota oficial confirmando as 6.590 vagas imediatas que serão ofertadas no edital conjunto. Posteriormente saiu a confirmação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), serão 6.640 vagas em 21 órgãos participantes.

 

Quais são as vagas do Concurso Nacional Unificado?

 

Foram confirmadas mais de 6.640 vagas no Concurso Nacional Unificado, para contratação de servidores que irão trabalhar junto ao Poder Executivo. Os interessados em participar da seleção poderão escolher mais de um cargo dentro da mesma área de atuação desejada.

 

Isso porque vagas e funções similares serão ofertadas em conjunto dentro do mesmo bloco temático. Ou seja, cada bloco contará com diferentes órgãos, mas com cargos que sejam do mesmo setor de atuação. Para escolher mais de um, eles não podem pertencer ao mesmo órgão.

 

Desse modo, cada candidato do CNU só poderá concorrer a uma vaga por órgão considerando o bloco temático selecionado. As oportunidades oferecidas serão para:

 

Advocacia-Geral da União

AGU vai oferecer 400 vagas de nível superior para a área Administrativa, nos cargos de:

  • Administrador;

  • Arquiteto;

  • Arquivista;

  • Analista Técnico-Administrativo;

  • Contador;

  • Economista;

  • Engenheiro;

  • Estatístico;

  • Médico;

  • Psicólogo;

  • Técnico em Assuntos Educacionais;

  • Técnico em Comunicação Social.

Agência Nacional de Energia Elétrica

 

Aneel confirmou abertura de 40 vagas para nível superior, na função de Especialista em Regulação de Serviços Públicos de Energia.

 

Agência Nacional de Saúde Suplementar

 

ANS vai ofertar 35 vagas para nível superior pelo Concurso Nacional Unificado, no cargo de de Especialista em Regulação de Saúde Suplementar.

 

Agência Nacional de Transportes Aquaviários

 

Antaq teve 30 vagas para nível superior autorizadas. Todas as oportunidades serão para a função de Especialista em Regulação de Serviços de Transportes Aquaviários.

 

Fundação Nacional dos Povos Indígenas

 

A participação da Funai no CNU vai contar com:

  • 152 vagas para nível médio na função de Agente em Indigenismo; e

  • 350 oportunidades em várias áreas de nível superior para Indigenista Especializado.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

 

IBGE foi um dos últimos órgãos a confirmar adesão ao Concurso Nacional Unificado. De acordo com as liberações, serão:

  • 300 vagas para nível médio no cargo de Técnico em Informações Geográficas e Estatísticas;

  • 275 vagas para nível superior no cargo de Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em Informações Geográficas e Estatísticas;

  • 312 vagas para nível superior no cargo de Tecnologista em Informações Geográficas e Estatísticas; e

  • 8 vagas para nível superior no cargo de Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

 

Inicialmente, o Incra havia negado a inclusão no CNU. Contudo, por dificuldades orçamentárias para promover o próprio concurso, a entidade voltou atrás na decisão. Ao entrar para o Enem dos Empregos, o Instituto vai oferecer cargos de nível superior:

  • 137 vagas para Analista Administrativo;

  • 446 vagas para Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário; e

  • 159 vagas para Engenheiros Agrônomos.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

 

Inep teve 50 vagas autorizadas, em junho de 2023, para o cargo de Pesquisador-Tecnologista em Informações e Avaliações Educacionais. As oportunidades são para profissionais de nível superior completo.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

MAPA também teve oportunidades autorizadas pelo governo federal e acabou aderindo ao Concurso Nacional Unificado. A oferta será para:

  • Agente de Inspeção Sanitária e Industrial de Produtos de Origem Animal: 100 vagas de nível médio;

  • Agente de Atividades Agropecuárias: 100 vagas de nível técnico;

  • Técnico de Laboratório: 40 vagas de nível técnico;

  • Auditor-Fiscal Federal Agropecuária: 200 vagas de nível superior.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

 

Ao todo, são 814 vagas autorizadas para profissionais de nível superior. Os contratados serão lotados no próprio MCTI ou em outros 16 unidades vinculadas à pasta. Os cargos oferecidos são de:

  • Analista em Ciência e Tecnologia: 296 vagas;

  • Tecnologista de Desenvolvimento Tecnológico: 265 vagas; e

  • Pesquisador em Ciência e Tecnologia: 253 vagas.

Ministério da Cultura

 

Outra das autorizações que acabaram entrando para o Enem dos Empregos foi do MinC, que vai oferecer 50 vagas para Analista Técnico-Administrativo. O requisito para esse cargo é ter nível superior.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços

 

MDIC não ficou de fora do Concurso Nacional Unificado e incluiu suas oportunidades de nível superior na prova única. Veja quais são:

  • 50 vagas para Analista de Comércio Exterior;

  • 50 vagas para Analista Técnico-Administrativo; e

  • 10 vagas para Economista.

Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania

 

Serão 40 vagas ofertadas pelo MDHC, todas para nível superior na função de Analista Técnico de Políticas Sociais (ATPS).

Ministério da Educação

 

Além das 220 vagas abertas em edital próprio, o MEC optou por lançar outras 70 vagas de Analista Técnico de Políticas Sociais (ATPS) pelo Enem dos Empregos.

Ministério da Gestão e Inovação

 

É claro que o MGI não ficaria de fora do novo formato de seleção. A pasta responsável pela criação do Concurso Nacional Unificado vai oferecer oportunidades de nível superior divididas da seguinte maneira:

  • 300 vagas para Analista de Infraestrutura (AIE);

  • 300 vagas para Analista em Tecnologia da Informação (ATI);

  • 500 vagas para Analista Técnico de Políticas Sociais (ATPS); e

  • 150 vagas para Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG).

Ministério de Justiça e Segurança Pública

MJSP é mais um dos 21 órgãos que estarão no CNU e vai oferecer 100 vagas para o cargo de Analista Técnico Administrativo, de nível superior.

Ministério de Planejamento e Orçamento

 

MPO também tem oportunidades para Analista Técnico-Administrativo, sendo 45 vagas. Além dessas, há 15 vagas para Economista. Ambos os cargos são para profissionais de nível superior.

Ministério dos Povos Indígenas

Outro órgão que vai oferecer vagas de nível superior para Analista Técnico-Administrativo é o MPI, contando com 30 postos de trabalho.

Ministério da Saúde

 

MS vai participar do CNU com 220 vagas para Tecnologista, que requer nível superior. Esse cargo possui cinco classes distintas. A que será ofertada por meio da prova única ainda deve ter confirmação divulgada quando sair o edital.

Ministério do Trabalho e Emprego

 

MTE optou por ingressar no Concurso Nacional Unificado oferecendo suas 900 vagas de nível superior para Auditor Fiscal do Trabalho (AFT).

Superintendência Nacional de Previdência Complementar

Ao todo, a Previc vai ofertar 40 vagas imediatas de nível superior pelo Enem dos Empregos. Elas estão divididas entre:

  • 15 vagas para Analista Administrativo;

  • 25 vagas para Especialista em Previdência Complementar.

Como será a prova do Concurso Nacional Unificado?

 

Os candidatos do CNU irão participar de uma prova escrita dividida em duas partes aplicadas no mesmo dia em 217 municípios brasileiros, conforme atualização do MGI. Com a contratação da banca organizadora Cesgranrio, pode-se esperar que a primeira parte da avaliação objetiva seja composta por questões de múltipla escolha.

É provável que sejam abordados temas de conhecimentos gerais iguais para todos os inscritos, imitando o Enem. Nesse momento, provavelmente serão cobrados conteúdos de:

  • Língua Portuguesa;

  • Matemática;

  • Raciocínio Lógico;

  • Noções de informática;

  • Legislação do serviço público.

Na segunda parte da prova do Concurso Nacional Unificado, os candidatos responderão questões discursivas de conhecimento específico da área de atuação escolhida. Isso será feito por meio dos blocos temáticos, que irão contemplar órgãos e cargos do mesmo nicho.

Por exemplo, todas as ofertas para Economista estarão num bloco específico, enquanto Analista Técnico-Administrativo estará em outro. Dentro do bloco temático escolhido, os participantes responderão as mesmas perguntas.

Outra etapa prevista no novo cronograma do Enem dos Empregos é a de prova de redação. Além disso, o Concurso Nacional Unificado poderá com prova de títulos. Essa terceira etapa foi oficialmente definida em portaria divulgada pelo MGI, no dia 04 de outubro de 2023.

O documento determina ainda que poderão haver mais fases avaliativas, no entanto, essas ficarão a sob a responsabilidade dos respectivos órgãos. Esses também terão o direito de adicionar Curso de Formação, desde que arquem com todos os custos e organização.

Conheça os blocos temáticos do CNU

  • Bloco 1 – Administração e Finanças Públicas: vai contemplar o cargo de EPPGG do MGI, Analista de Planejamento do MPO, bem como todas as vagas do MDIC e AGU;

 

  • Bloco 2 – Agências Reguladoras e Infraestrutura: vai contemplar o cargo de Especialista da Antaq, Especialista da Aneel, Especialista da ANS e Analista de Infraestrutura do MGI;

 

  • Bloco 3 – Agricultura e Meio Ambiente: vai contemplar o cargo de Auditor-Fiscal do MAPA, as vagas do MPI e as oportunidades do Incra;

 

  • Bloco 4 – Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação: vai contemplar todas as vagas do MCTI e do Inep;

 

  • Bloco 5 – Políticas Sociais, Justiça e Saúde: vai contemplar o cargo de ATPS do MGI, Indigenista Especializado da Funai e todos os cargos do MEC, do MS, do MDHC e do MJSP;

 

  • Bloco 6 – Trabalho e Previdência: vai contemplar todas as vagas do MTE e da Previc;

 

  • Bloco 7 – Dados, Tecnologia e Informação: vai contemplar o cargo de ATI do MGI e todas as vagas de nível superior do IBGE;

 

  • Bloco 8 – Nível médio: vai contemplar as vagas de nível médio do IBGE, MAPA e Funai.

 

Quando será a aplicada a prova do CNU?

 

Em setembro, quando foi anunciada a realização do Concurso Nacional Unificado, a ideia original era de que as provas acontecessem em fevereiro de 2024. Logo depois, o secretário do MGI José Celso Cardoso Jr. afirmou que as etapas deveriam ser aplicadas em meados de março de 2024.

Em entrevista ao Metrópoles, o gestor explicou que a mudança foi feita pensando em dar mais tempo para os candidatos se preparem, tendo em vista que o CNU é uma grande novidade para todos. Segundo ele, a ideia surgiu em conversa com os órgãos participantes do certame.

José Celso explicou que muitas entidades pontuaram que o prazo entre publicação do edital e a avaliação era muito curto. No entanto, o MGI alterou o cronograma mais uma vez a pedido dos próprios candidatos. A ministra Esther Dweck afirmou que muitas pessoas enviaram mensagens nas redes sociais pedindo mais tempo para estudar.

A partir disso, foi montado um novo calendário do Concurso Nacional Unificado que prevê a realização das provas no dia 05 de maio de 2024. Dessa maneira, os interessados em participar da seleção terão cerca de três meses e meio entre o lançamento dos editais e a aplicação das avaliações.

Onde serão realizadas as provas do CNU?

 

O Concurso Nacional Unificado tem como propósito descentralizar a aplicação das provas, levando a avaliação para mais regiões. Desse modo, é mais fácil garantir que pessoas de locais remotos tenham acesso ao certame e, consequentemente, maiores chances de conseguir um cargo público.

Pensando nisso, o MGI selecionou 217 municípios em todos os estados brasileiros para aplicar a prova do CNU. Veja quais são:

 

Região Norte

  • Acre: Cruzeiro do Sul e Rio Branco;

  • Amazonas: Coari, Humaitá, Manaus, Manicoré, Maués, Parintins, Tabatinga e Tefé;

  • Amapá: Laranjal do Jari e Macapá;

  • Pará: Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Belém, Bragança, Breves, Cametá, Itaituba, Marabá, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Paragominas, Parauapebas, Portal, Redenção, Santana do Araguaia, Santarém, São Félix do Xingu e Tucuruí;

  • Rondônia: Ariquemes, Ji-Paraná, Porto Velho e Vilhena;

  • Roraima: Boa Vista;

  • Tocantins: Araguaína, Gurupi e Palmas.

 

Região nordeste

 

  • Alagoas: Arapiraca e Maceió;

  • Bahia: Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Brumado, Camaçari, Eunápolis, Feira de Santana, Guanambi, Irecê, Itaberaba, Itabuna, Jacobina, Jequié, Juazeiro, Lauro Freitas Paulo Afonso, Ribeira do Pombal, Salvador, Teixeira de Freitas e Vitória da Conquista;

  • Ceará: Caucaia, Crateús, Fortaleza, Iguatu, Juazeiro do Norte, Maracanau, Quixadá, Russas e Sobral;

  • Maranhão: Bacabal, Balsas, Caxias, Chapadinha, Imperatriz, Pinheiro e São Luís;

  • Paraíba: Campina Grande, João Pessoa, Patos e Sousa;

  • Pernambuco: Caruaru, Garanhuns, Jabotão dos Guararapes, Olinda, Petrolina, Recife e Serra Talhada;

  • Piauí: Floriano, Parnaíba, Picos e Teresina;

  • Rio Grande do Norte: Caicó, Mossoró, Natal, Parnamirim;

  • Sergipe: Aracaju.

 

Região Centro-Oeste

 

 

Região Sudeste

 

  • Espírito Santo: Cachoeiro de Itapemirim, Colatina, São Mateus, Serra Velha, Vila Velha e Vitória;

  • Minas Gerais: Almenara, Araçuaí, Araxá, Barbacena, Belo Horizonte, Betim, Contagem Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Governador Valadares, Ipatinga, Ituiutaba, Janaúba, Januária, Juiz de Fora, Lavras, Montes Claros, Muriaé, Paracatu, Passos, Patos de Minas, Pirapora, Pouso Alegre, Teófilo Otoni, Uberaba e Uberlândia;

  • Rio de Janeiro: Angra dos Reis, Belford Roxo, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Duque de Caxias, Macaé, Niterói, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti e Volta Redonda;

  • São Paulo: Araçatuba, Bauru, Caçapava, Campinas, Guarulhos, Hortolândia, Itapeva, Jacareí, Marília, Mauá, Mogi das Cruzes, Osasco, Paulínia, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba Taboão da Serra, Valinhos e Vinhedo.

 

Região Sul

 

  • Paraná: Cascavel, Curitiba, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, São José dos Pinhais, Umuarama;

  • Rio Grande do Sul: Bagé, Caxias do Sul, Farroupilha, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santo Ângelo e Uruguaiana;

  • Santa Catarina: Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Joinville, Lages, São José.

Fonte: Concursos no Brasil

_____________________________________________________________________

MEB Advocacia Especializada em Concursos Público



Você está procurando uma advocacia especializada em concursos públicos?

Fale Conosco Agora
Como funciona a desistência de nomeado e nomeação do próximo ao cargo?

A jornada de um concurso público não termina com a aprovação; ela segue um caminho que inclui a



ADVOCACIA ESPECIALIZADA EM CONCURSO PÚBLICO

Chamar no Whatsapp